teatro - atriz

Workshop Bufão250€ – 150€
8 de Janeiro a 1 de Fevereiro (2ª, 4ª e 5ª), das 19h30 às 22h30
+ info – clique aquiInscreva-se aqui

workshop de Bufão no Evoé Escola de Actores Lisboa

BUFÃO Janeiro

Horário
De 8 de Janeiro a 1 de Fevereiro (2ª, 4ª e 5ª), das 19h30 às 22h30
Preço
250€
150€ Alunos Evoé
Workshop de Bufão, ministrado pela atriz e encenadora Jaime Mears.

Encontrar no feio e na denúncia do mundo o prazer do jogo criativo.
O Bufão é uma paródia grotesca do ser humano. Um dos pequenos erros de Deus. Fisicamente disforme, anatomicamente impossível, o Bufao é a paródia da própria desfiguração, demasiado ridículo para poder ser levado a sério. Não há nada que ele respeite e tudo é reduzido ao gozo.

O Bufão liberta uma energia vibrante e a criatividade do estudante. Quando o actor consegue abandonar os limites impostos pela educação e do politicamente correcto, permite a si mesmo portar-se mal, pôr as regras de lado por um bocado, abrindo os seus olhos para um prazer genuíno em palco.

Paródia é a ferramenta fundamental para o bufão e um dos motores mais poderosos por detrás do desejo de actuar. Às vezes somos lançados para o palco pelo desejo de exibir as nossas capacidades e inteligência. Outras, pelo desejo de competição e gosto pessoal por ser ridículo e insano, para gozar e provocaro outro. Este gênero de actuação é energizante e criativa por não respeita nada para além da nossa própria humanidade.

As ferramentas que serão trabalhadas através do Bufão são:
· Cumplicidade e sensibilidade em relação aos companheiros e ao público.
· Poder da clara imitação e caricatura.
· Liberdade através da mutação física e vocal.
· Diferenças entre paródia e sátira e como cada uma pode ser usada, não só para provocar o riso, mas também para provocar o pensamento.

Este workshop é um módulo inserido no curso de Formação de Actores e Teatro Físico, aberto a inscrições externas.
OUTROS WORKSHOPS
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Segue-nos em:

WORKSHOP BUFÃO

Workshop de Bufão, ministrado pela actriz e encenadora Jaime Mears.
Encontrar no feio e na denúncia do mundo o prazer do jogo criativo.
O Bufão é uma paródia grotesca do ser humano. Um dos pequenos erros de Deus. Fisicamente disforme, anatomicamente impossível, o Bufao é a paródia da própria desfiguração, demasiado ridículo para poder ser levado a sério. Não há nada que ele respeite e tudo é reduzido ao gozo.

O Bufão liberta uma energia vibrante e a criatividade do estudante. Quando o actor consegue abandonar os limites impostos pela educação e do politicamente correcto, permite a si mesmo portar-se mal, pôr as regras de lado por um bocado, abrindo os seus olhos para um prazer genuíno em palco.
Paródia é a ferramenta fundamental para o bufão e um dos motores mais poderosos por detrás do desejo de actuar.

As ferramentas que serão trabalhadas através do Bufão são:

· Cumplicidade e sensibilidade em relação aos companheiros e ao público.
· Poder da clara imitação e caricatura.
· Liberdade através da mutação física e vocal.
· Diferenças entre paródia e sátira e como cada uma pode ser usada, não só para provocar o riso, mas também para provocar o pensamento.

Este workshop é um módulo inserido no curso de Formação de Actores e Teatro Físico, aberto a inscrições externas.

Biografia Formador:

Jaime Mears é uma actriz com mais de uma década de experiência profissional em teatro, cinema e televisão, na Austrália e na Europa. Diplomada no NIDA (Australia’s National Institute of Dramatic Art) tem uma formação extensa em Teatro Clássico, Voz, Método Suzuki, Viewpoints, Improvisação, Bouffon, Clown, Canto e Dança.

Trabalhou, entre outros, com Sydney Theatre Company, Belvoir St. Theatre Company, Darlinghurst Theatre Company e Teatro Nacional São João. Jaime aparece em diversas séries televisivas na Australia, entre 2003-2007, como a premiada All Saints e também Mcleods Daughters.

Actualmente está a filmar Mata Hari par a Star Media Productions na Europa.

O desejo de explorar e diversificar a sua prática teatral levou-a a escolas e programas de formação em França (École Philippe Gaulier, Paris), Dinamarca (Keith Johnstone), Reino Unido (Complicité) e EUA (SITI Company, NY), colaborando com criadores e professores de várias disciplinas. Em Portugal, desde 2009, funda a companhia Rei Sem Roupa, que se estreia com a peça para a juventude Mau Lobo Mau (2011).

Co-dirigindo com Pedro Fabião (actual director da Operação Nariz Vermelho), estrearam também A Pesca (2012) e Arre (2013). Colaborou como actriz e na criação com T.N.S.J./Teatro do Frio e com a Circolando, para os espectáculos Cruzadas (FITEI, Braga, Guimarães e Glasgow’s Conflux Surge Festival, 2011/12) e Cabra Cega (Portugal e Brasil).

Em 2008 foi galardoada com a bolsa Mike Walsh Fellowship, a prestigiada Winston Churchill Fellowship por excelência nas Artes Performativas e com uma bolsa Australia Council Artistic Development Grant, que usou para viajar para Paris e estudar com Philippe Gaulier.

Jaime tem uma experiência vasta no ensino. Começou na Australia no NIDA’s Open Program e também na Brent St School of Performing Arts, como professora de Teatro, Cinema, Movimento e Improvisação, para crianças e adultos.

Os comentários estão fechados.