workshop de Bufão no Evoé Escola de Actores Lisboa

Workshop Coro e Tragédia Grega85€ – 50€ – 35€
09, 16, 23 e 30 de Janeiro das 19h30 às 22h30
+ info – clique aquiInscreva-se aqui

workshop Coro e Tragédia Grega

Espetáculo "As Suplincates" a partir do texto de Ésquilo.

Workshop - Coro e Tragédia Grega

Horário
09, 16, 23 e 30 de Janeiro das 19h30 às 22h30
Preço
85€
50€ Alunos Evoé
35€ Alunos Teatro Físico
Workshop sobre o Coro e a Tragédia Grega com Cláudia Andrade.

A tragédia. Talvez um dos território geodramáticos mais misteriosos.
A tragédia nasceu na Grécia antiga e partilha com o próprio espectáculo teatral uma mesma genealogia, onde o ritual, o cívico, o político, o literário e o performativo se encontraram para fundar uma tradição sem precedentes- o teatro.
As experiências no Teatro Antigo de Siracusa, onde Jacques Lecoq é convidado para realizar várias coreografias corais dramáticas, são de grande importância para o seu trabalho e servem para consolidar o lugar absolutamente central que o coro representa na sua pedagogia.
A experiência do coro é a sensação de sincronia, de estar verdadeiramente juntos, É nela que existe a descoberta do vínculo. Move-se sem que se saiba quem o dirige. Na relação com o espaço, o coro ocupa esse espaço, desloca-o. Muda de forma.

Segue-nos em:

Workshop sobre o Coro e a Tragédia Grega

A tragédia. Talvez um dos território geodramáticos mais misteriosos.

A tragédia nasceu na Grécia antiga e partilha com o próprio espectáculo teatral uma mesma genealogia. Onde o ritual, o cívico, o político, o literário e o performativo se encontraram para fundar uma tradição sem precedentes- o teatro.
As experiências no Teatro Antigo de Siracusa, onde Jacques Lecoq é convidado para realizar várias coreografias corais dramáticas, são de grande importância para o seu trabalho e servem para consolidar o lugar absolutamente central que o coro representa na sua pedagogia.

A experiência do coro é a sensação de sincronia, de estar verdadeiramente juntos, É nela que existe a descoberta do vínculo. Move-se sem que se saiba quem o dirige. Na relação com o espaço, o coro ocupa esse espaço, desloca-o. Muda de forma.

Workshop leccionado por Cláudia Andrade.

Bio Cláudia Andrade

Diplomada em Interpretação/Teatro do Gesto pela Escola Estudis de Teatre (Barcelona) e mestra em Teatro e Comunidade pela ESTC.

 

Trabalha como actriz desde 1993 em diversos projectos com o Teatro Meridional, Teatro da Cornucópia, o Trigo Limpo teatro ACERT, Quarto Periodo-o-do- Prazer, o Teatro do Morcego, o Théâtre de la Mezzanine.

 

Teve formação com Marcia Haufrecht, Neville Tranter, Norman Taylor, Alain Gautré, Philippe Gaulier, Christophe Marchand, Claire Heggen e Monika Pagneux.


É colaboradora frequente do Serviço Educativo da Culturgest, do Teatro Maria Matos e da Fábrica das Artes (CCB).

Mestra em Teatro e Comunidade pela ESTC, tem trabalhado em diversos projectos de teatro com a comunidade, como “Um Elo chamado Jarmelo”, “Cientistas ao Palco”, “Companhia Limitada”.

É colaboradora do CIAC (Centro de Investigação em Artes e Comunicação) e integra a Red de Investigadores de Teatro Comunitário.

Participou, em 2011, num intercâmbio artístico com o grupo de teatro comunitário Pompapeytriasos.

É autora do livro: “Coro: Corpo Colectivo e Espaço Poético- Interseções entre o teatro grego antigo e o teatro comunitário”, editado em 2013 pela Imprensa Universidade de Coimbra.